de volta à nave mãe: home
Home Home by Ivana Ebel Facebook Twitter E-Mail

menu

Estudar fora Sobre a Alemanha Viagens & turismo
Nonsense Receitas Jornalismo

domingo, 8 de julho de 2012

UFC: A nova fábrica de pseudo-heróis nacionais


Eu não gosto de lutas.  Nunca gostei. Particularmente acho que uma das formas mais divertidas de luta é a de 22 homens por uma bola. E o Brasil sempre achou isso também. Ou achava, ao menos. Eu saí do Brasil em 2008 – antes das mulheres frutas, antes do sertanojo virar modinha na balada e quando ainda se discutia que estados seriam ou não sede da Copa do Mundo de 2014. Não tinha, para a alegria dos meus ouvidos, nem thcu, tcha e nem tchechererê. E eu achava que as coisas já não iam muito bem... Naquela época, as notícias mais relevantes de luta falavam do desempenho dos judocas brasileiros nas Olimpíadas. E deu.

Mas a coisa toda mudou e, de uns tempos pra cá, todo mundo parece ter virado fã de luta. Minha timeline do Facebook, o Tweeter e tudo o mais só fala de UFC (que eu tive que pesquisar pra saber do que se tratava), porrada, Anderson Silva e o que mais... e isso me enche de uma pena infinita. É triste ver tanta gente manipulada por uma convenção comercial: a Globo compra os direitos de transmissão de um campeonato que não tem qualquer relação cultural com o Brasil e o povo todo vira fã de carteirinha do dia para noite.

Já não bastasse vestir a moda das novelas e repetir os bordões dos personagens. Já não bastasse votar nos candidatos do Jornal Nacional. Já não fosse o suficiente idolatrar o Luciano Huck e a Angélica... agora cabe ao projeto comercial de uma emissora criar os novos heróis nacionais e a nova febre de audiência. Já passou da hora de desligar a TV e ler um livro. É muita pobreza de espírito...

6 comentários:

Bart disse...

Eu tambem acho essas lutas de muito mau gosto, e vejo claramente a manipulacao que foi feita pra isso virar um esporte de massa (nao vejo globo, mas vi como o UOL do nada comecou a ter uma cobertura extensiva disso).

A unica coisa que nao concordo no seu texto eh dizer que o campeonato nao tem qualquer relacao cultural com o Brasil.

Os primeiros campeoes do UFC, lah na decada de 90, eram brasileiros. A grande maioria dos lutadores ainda hoje sao brasileiros. O jiu-jitsu brasileiro, que foi adaptado do jiu-jitsu japones pelo Helio Gracie, eh a luta de maior influencia em MMA. O dono da marca UFC era brasileiro (ateh ele vender pra um americano que soube fazer a brand crescer).

Ou seja, apesar de nao fazer parte da sua (e da minha) vida, eh parte da cultura de milhares de brasileiros. O que a midia fez foi ampliar a abrangencia do MMA, obviamente pra obter mais lucros.

barb disse...

eu vim pra cá em 2008 e acho que já tinha mulher fruta rs, enfim tb nao sou fa de luta, mas aqui vejo BOXEN, um esporte de luta com regras mais seguras que o tal do MMA e os alemaes curtem os lutadores e irmaos ucraniaos que moram na Alemanha 'Klitschko', engracado hj vc é a segunda pessoa que diz que o Face só fala disso, fiquem sabendo assim, ah e no Brasil quase tudo foi importado, inclusive muitos esportes, o MMA é só mais um, e realmente se estudassem e lessem mais quem sabe criaram coisas mais interessantes...

Patricia (Patsy) Guimarães disse...

Ivis, sorry mas nessa eu tenho que contestar... o UFC está intrinsicamente ligando ao Brasil Começou como vale-tudo brasileiro, onde as únicas regras eram que não se podia enfiar o dedo no olho e dar chute no saco (eu lembro de assistir as lutas pela BTV em Blumenau). Depois de algumas edições pela organização UFC fora inseridas novas regras mais restritivas e o tipo de luta ficou conhecida como MMA.
Até algum tempo atrás o UFC era mais 'famoso' entre os lutadores (jiu-jitsu, muay thay e afins), mas virou mainstream no Brasil através da internet, tv a cabo e - incrivelmente - RedeTV.
Por mais manipuladora que seja, dessa vez a única culpa da Globo foi comprar um produto que já era famoso e com audiência para poder ganhar dinheiro.

Fabian disse...

Olá.. como o bart disse isso realmente faz parte da cultura brasileira. quem nunca ouviu falar de vitor belfort?

Mas então, uma coisa que não concordo nisso é falar que a globo promoveu a luta. Desde que a redetv investiu pesado nisso e até trouxe o ufc para o brasil, o povo brasileiro realmente passou a conhecer mais sobre o esporte. Somemnte depois disso a Globo comprou os direitos de transmissão, mas até agora só passou duas lutas, e nenhumas delas foi ao vivo. O povo brasileiro é fã de ufc bem antes da globo comprar os direitos. Também não sou muito fã de lutas, mas o que esse cara falou do brasil, ele realmente merecia apanhar. rsrsrs.

Mas é vdd, a globo relamente NÃO INFLUENCIA EM NADA!!! (não nesse caso né) muito pelo contrario, o povo satiriza a globo por passar ufc atrasado. Todos assistem pela internet via streaming e por ae vai =)

até mais!! ivane =)

Sandra disse...

Eu também acho que não foi a Globo quem popularizou o UFC. Como todos já citaram o esporte já "acontecia" para os brasileiros desde a era Grace (eu tenho um amigo que foi para os EUA para estudar na academia Grace e hoje ele ensina a técnica no Brasil). Mas como a Globo é a maior emissora, taí...
Eu sempre gostei de box, desde que via meu pai assistindo na TV. Não acho que os campeões da UFC ou Vale tudo sejam pseudo heróis, a luta ensina, além das técnicas, disciplina, respeito, cidadania e oferece uma esperança para um futuro melhor para milhares de jovens.

Unknown disse...

isso ai Ivana.todo mundo viciado em lutas..quem sabem botam suas frustações vendo gente se batendo? melhor ler mais e mais.tem tantas coisas boas e interessantes tambem na tv para ver mas claro poucas na Globo.no resto da rede aberta então nem pensar.a livraria catarinense esta oferecendo programas culturais e musicais em varios dias da semana.pouca gente vai ou se interessa.

de volta à nave mãe - desde 2008 © Ivana Ebel