de volta à nave mãe: home
Home Home by Ivana Ebel Facebook Twitter E-Mail

menu

Estudar fora Sobre a Alemanha Viagens & turismo
Nonsense Receitas Jornalismo

terça-feira, 6 de abril de 2010

A saga da churrasqueira

Churrasqueira aqui na Alemanha é coisa quase descartável. Todo verão aparecem aos montes nos supermercados e a partir de 6 euros se compra uma. Não espere nada maravilhoso: em algumas semanas de uso, elas começam a ficar com as pernas bambas e dão sinais de cansaço. Mas é exatamente o quanto dura o verão e, sem espaço pra guardar, quando o outono chega, as churrasqueiras acabam indo para o lixo. Alguns mercados vendem umas descartáveis mesmo: Einweggrill (churrasqueira para um uso, por 2 euros), que nada mais é do que uma bandeja de alumínio com carvão, coberta por uma grelha furadinha, que dura o bastante pra uma boa rodada de salsichas.

No ano passado, usamos algumas dessas, mas acabamos comprando a nossa... que desapareceu misteriosamente no inverno. Este ano, quando o sol deu as caras, a vontade de churrasco bateu e rodamos a cidade em busca de uma churrasqueira nova. Nosso desejo foi mais rápido que a logística alemã. Os mercados da redondeza ainda não estão vendendo as tais churrasqueiras e acabamos encontrando apenas no Walle Center, do outro lado da cidade, o que provavelmente era um estoque do ano anterior.

A estréia da tal churrasqueira – que custou 7,99 – foi na sexta-feira santa. Churrasquinho caprichado no quinta! Depois disso, ainda com um resto de carvão, a dita ficou encostada na janela do quarto (moramos no térreo) a espera do próximo Grillen Zeit, como “repousam” todas as churrasqueiras da vizinhança. E sumiu no dia seguinte.

Com todo o perdão do palavreado, fiquei PUTA da cara. Muito irritada MESMO. Não pelo valor da churrasqueira em si: mas pelo desaforo de terem levado a churrasqueira novinha. Custava pedir emprestado? Ano passado emprestamos várias vezes, assim como já usamos churrasqueiras emprestada. É só pedir, levar e trazer de volta. Ninguém se recusa.
Resolvi não deixar por menos e, vestindo todo o estereótipo do latino sangue quente, coloquei um aviso na minha janela e nas árvores em volta. Se não fosse pra ter a churrasqueira de volta, ao menos desabafei minha raiva com um monte de palavrões. Isso foi na segunda, dia 5/4, feriado aqui.

Nesta terça, com um sol perfeito e as flores desabrochando, fomos dar uma caminhada no Jardim Botânico, aqui perto de casa, de olho nas churrasqueiras “estacionadas” nas janelas. E... sim! Lá estava ela... parada do outro lado do condomínio (que tem uns oito blocos onde só moram estudantes), na janela de alguém que pegou “emprestada” e “esqueceu” de devolver... Não tive dúvidas em trazer pra casa e deixar um recado para os “simpáticos vizinhos”.


Sem um porão para guardar tralhas, ficamos sem muita alternativa de onde deixar a churrasqueira semi descartável até o fim do verão. Mas desta vez, vai dar mais trabalho se algum espertinho resolver levar... Uma engenhoca de cadeados vai manter a churrasqueira bem perto dos olhos do gatuno, mas bem longe do seu próximo churrasquinho...


E que venha o final de semana!!!

2 comentários:

Mirna Oliveira disse...

Hahahaha Ri demais com essa saga!

Mas é fogo mesmo! O (A) Cara de pau ainda deixou ali do ladinho...

Muy Latina usted!

hahahha

Gostei, gostei. :P

Alessandra disse...

Uau sensacional sua atitute, ri muito tb com essa saga ... "Que Pouca Vergonha", pegar emprestado sem aviso previo! Parabens, e como e bom ser latino rs

de volta à nave mãe - desde 2008 © Ivana Ebel