de volta à nave mãe: home
Home Home by Ivana Ebel Facebook Twitter E-Mail

menu

Estudar fora Sobre a Alemanha Viagens & turismo
Nonsense Receitas Jornalismo

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Turismo internacional: 20 formas de reconhecer o brasileiro chato no exterior (e manter distância dele)


Atenção: Esse é um post de humor. Apesar de ser 100% baseado em fatos reais, é um comentário engraçado sobre o comportamento dos brasileiros no exterior. Aos mal-humorados de plantão, favor parar a leitura aqui e seguir direto para o próximo post do blog. 

Os brasileiros estão ganhando o mundo e é difícil viajar sem esbarrar com conterrâneos por ai. Paris, Roma e Londres já devem ter mais brasileiros do que nativos! Há muita gente legal passeando em busca de cultura, diversão. Esses encontros podem resultar em novas amizades ou em boas risadas mundo a fora. Mas há quem atrapalhe a festa: pessoas inconvenientes que deviam ficar em casa até tirar um diploma de como se comportar longe do país. E antes que alguém me acuse de falta de patriotismo, esse guia é 100% baseado em fatos reais.

Então, ai vai a lista para quem quer desfrutar dos principais destinos turísticos sem ter que conviver com esse tipo de pessoa: um manual para reconhecer os "infelizes". Ai, se der de cara com o tipo, é só escolher um outro restaurante ou uma mesa bem longe.

1 - Brasileiro fala alto de um modo geral. Mas fora de casa o brasileiro chato, fala mais alto ainda. Se anda em grupo, parece que todos têm um megafone na garganta. É só reparar no grupo mais berrão e nem precisa pedir o passaporte.

2 - Aliás, brasileiro chato nem devia precisar de passaporte quando viaja pro exterior. Existe um certo ritual de obrigatoriedade que faz com que todos saiam vestidos iguais. No início da viagem, homens usam camisa da seleção ou de qualquer time de futebol nacional. No segundo dia, camisetas da Tommy Hilfiger e abrigos de moletom da GAP. É patético.

3 - Brasileiros chatos tem um orgulho imenso em sua brasilidade e ostentam isso além da camisa de futebol. Assim, depois de trocarem pela Tommy Hilfiger ou pela "I S2 (Insira aqui qualquer capital da Europa)" ainda vão ser reconhecidos: eles usam bonés com a bandeirinha do Brasil, mochilas com patches de bandeirinha costurados. É só procurar atentamente: em algum lugar vai se encontrar a bandeirinha.

4 - Mulheres brasileiras chatas também têm uniforme. Calça ou camisa de oncinha: ou os dois. Nos pés, sapatos de salto (!??!?!) para caminhar com elegância – só que não – todas as vias barrentas das ruinas de Roma. Superapropriado. Ah, claro, elas estarão sempre com a cara meio emburrada e se queixando (aos berros) das dores nos pés como se o mundo tivesse que abrir alas para seus pezinhos massacrados pela burrice.

5 - Mas brasileiro chato adora exibir seu humor espirituoso em alto e bom som: fazer piadinha de judeus em campo de concentração, fazer bico de pato e sinalzinho de vitória na frente da torre Eifel, escalar o memorial do holocausto, achar que top e minissaia são as melhores opções para entrar no Vaticano.

6 - Brasileiro chato também aparece na foto de todo mundo. Não sabe tirar a foto em um spot disputado e dar dois passos pro lado. Não. Fica conferindo no Ipad se a foto ficou boa em vez de simplesmente dar lugar para outras pessoas. Aliás, eu sempre acho que todo o chato usa tablet como câmera e nem precisa ser brasileiro.

7 - Brasileiros chatos não só param na frente dos pontos turísticos de forma inapropriada como também atrapalham o caminho. O melhor lugar para discutir onde almoçar? No topo da escada rolante. Onde abrir o mapa para ver a direção certa? Na saída do metrô.

8 - Brasileiro quando viaja também fica chato por conta da saudade. Pode ser que coma feijão três vezes por ano em casa, mas se estiver no exterior há três dias, vai passar o tempo se queixando do quanto sente falta de um feijãozinho com arroz.

9 - Na hora de comer, brasileiro chato é vencedor: espera 20 minutos na fila do McDonald’s em Barcelona (sim, tem gente que prefere McDonald’s a provar a culinária local – nem que seja um bocadillo de Ramón!) e na hora de ser atendido começa a pensar no que vai comer. Ai olha para o cardápio na parede como se o restaurante fosse vietnamita e pede a comida pra família inteira, um sem picles, outro sem cebola...

10 - A saudade também transforma o brasileiro chato em um tipo agressivo. Se escuta alguém falando português, já dispara: Oh, que saudade de ouvir a nossa língua. E segue o diálogo entre o residente e o visitante. R: Pois é, há muitos brasileiros por aqui (não importa onde, sempre há). V: Me senti tão em casa quando ouvi você falando. R: Nossa, deve fazer muito tempo que você está longe então. V: Faz sim, já to fora do Brasil há quatro dias e ainda vou ficar mais cinco para conhecer 15 países.

11 - O mesmo brasileiro chato se acha o cara mais esperto do universo. Acha que está certo em não pagar o ticket do transporte público (por que o controle é por amostragem) e não entende o quanto os alemães são "idiotas" por comprarem o ticket se ninguém vai conferir. 

12 - Brasileiro chato espertalhão também some do mapa três quadras antes do fim do freetour só pra não dar uma gorjeta para o guia que passou três horas explicando tudo sobre a cidade.

13 - E mais esperto ainda: brasileiro chato guarda lugar na fila para dez pessoas que se materializam do nada depois de 30 minutos de espera pra comprar o ticket do museu. E claro, cada uma vai pagar separado, com cartão.

14 - Mais o mais chato de todo o brasileiro chato é o orgulho da sua própria ignorância. “Eu já viajei dez vezes pros Estados Unidos e não falo uma palavra de inglês”. “Achei toda a maquiagem que eu queria e comprei cinco bolsas Michael Kors e a vendedora nem falava português”. Dinheiro pro cursinho de inglês não sobra né.

15 - Mas tem brasileiro chato que sabe falar “the book is on the table” e faz isso logo que escuta outros brasileiros na área. Acha que ninguém mais no mundo entende inglês e que ninguém percebe as asneiras que estão sendo ditas na tentativa de esconder que a única língua que sabem falar mesmo é português.

16 - Brasileiro chato é chato até no caminho de volta pra casa. Além das duas malas que leva a bordo – feliz da vida porque a aeromoça não viu e os “idiotas” da cia aérea deixaram passar – carrega meio freeshop em sacolas. Lota o guarda-volumes acima da sua poltrona, acima da do vizinho, acima da de todo mundo. E berra com o cidadão do grupo de excursão que ficou do outro lado da aeronave para que ele venha tirar uma foto com a senhora argentina que acabou de conhecer.

17 - Claro, porque brasileiro chato não anda sozinho. Tem medo do desconhecido universo que se esconde depois do carimbo no passaporte em Guarulhos e tenha 20, 30 ou 60, se comporta como se fosse a excursão da turma pela formatura no ensino médio.

18 - Mas pior que sentar do lado de um brasileiro chato em um avião é sentar na frente dele. Empolgado, o brasileiro chato não se contenta em ver um filminho, como o resto do mundo. Quer explorar toda a tecnologia da aeronave e opta pelos joguinhos eletrônicos em telas que a sensibilidade ao toque não é exatamente uma qualidade. E sim, claro, irritado, começa a “tocar” cada vez mais forte. Um aviso: touchscreen é o nome. Não punchscreen.

19 - E como todo bom chato, de qualquer idioma, passam a noite de papo na “cozinha”, rindo alto, como se as cortinas que separam a área de serviço fossem a prova de som. Só não são mais chatos por que ainda não há sinal de celular nas nuvens.

20 - Mas no fim das contas, acho que o problema não são os brasileiros. Devem ser uma resposta orgânica ao ar estranho que transforma uma grande quantidade de viajantes em chatos de galocha, uma vez que os sintomas vão desaparecendo a medida que os grupos se dispersam depois da Alfândega em aeroportos do Brasil. Bom, a cura chega para quase todos, mas sempre escapa um. Porque brasileiro chato mesmo é aquele que te chama pra ver 938983928312 fotos fora de foco, com a cabeça cortada ou selfies no ipad enquanto ele conta (sobre as compras) da viagem.

17 comentários:

Leila disse...

estivemos viajando, e a "criatura" do outro grupo, toda feliz, achou adequado se pendurar em uma determinada estrutura para tirar fotinho. vergonha alheia.. é penosamente fácil descobrir brasileiros por aí. hahahahaha

barb disse...

ah nao é só brasileiro que entra nessa lista nao, coloco os italianos sao muito parecidos, os latinos etc., quanto as oncinhas por aqui tem muito alema que gosta é inclusive moda nas lojas, quanto ao encontrar outro brasileiro e se sentir feliz por poder falar portugues, ja encontrei e evito, mas marido alemao escuta e diz eles sao brasileiros, pq vc nao fala com eles, se fosse eu em outro país e encontrasse algum alemao falaria na hora...

Fred Recife disse...

isso é oq vc não viu os chineses! São muuuutio piores

Ana disse...

Quer saber? Chata mesmo é você!

E não, eu não sou desses brasileiros chatos... Já morei em 4 continentes e sou super blasé nas minhas viagens. Também fico incomodada com gente assim como vc descreve.

Mas sabe do que mais? Tem chato deste tipo de diversas nacionalidades (para generalizar um pouco, diria não-europeus, em geral).

E vamos tentar entender um pouco esta turma? Muitas vezes é a primeira, se não for a única, vez que eles viajam. Vamos ser um pouco mais generosos e julgar menos?

Rebeca disse...

Por viver nos EUA, eu vejo isso no dia a dia. O tempo todo e já até recebi amigos que se comportaram dessa forma e me fizeram passar vergonha.

VC esqueceu de falar da pessoa que interrompe o garçon no meio da sua apresentação pra perguntar se tem wi-fi (pra tirar foto da comida e postar no instagram), depois diz "quero uma água"... Mas cara... ele já ia perguntar o que vc quer beber!! Deixa ele explicar qual é a especialidade do dia!!! Não dá! Nem que vc explique MIL VEZES, qnd o turista tá MUITO feliz e animado, ele n entende que há tempo pra tudo. N precisa disso tudo...

haha

Uma pena...

Julius Gattus disse...

Há muito tempo que nao ria tanto, adorei seu resumo dos nossos turistas!!!! Trabalho num museu portanto diretamente com turistas e é claro que em algumas excecoes, vejo brasileiros educados tambem...Mas é verdade que os chineses nao ficam atrás - diria que sao até piores, talvez porque eu nao entenda a lingua(?) Adorei o que li :)

Diogo Avila disse...

Depois de andar um pouco por ai acho que posso sim concordar com 99% das coisas ali escritas.
Também fico muito irritado com alguns comportamentos de uma boa parte dos brasileiros.
Temos sim muito que aprender.
Só não concordo com a questão da camisa da seleção. Já viajei muito usando a amarelinha e gosto sim de mostrar para as pessoas que sou brasileiro (apesar das dificuldades que vivemos por aqui), e vejo nisto justamente a oportunidade das pessoas notarem o meu comportamento civilizado e verem que brasileiro não é tudo igual. Já tive oportunidade de ouvir, mesmo usando a canarinha, coisas do tipo "nossa, você é brasileiro?"
Aliás foi justamente a camiseta do Brasil que me rendeu uma das melhores recordações que tive em viagem. Na Palestina, topei com um garoto e lhe dei a minha camiseta do Brasil de presente. A gratidão e alegria dele me valeu muito mais que um post.
E sim, os chineses são bem piores.

Unknown disse...

Otimo resumo! Como vivo ja a bastante tempo no Canada, ja vi varias vezes essas figuras.. O pior e' encontrar essas figuras que tambem vivem no Canada, mas nao falam ingles, vivem apenas no eu que chamo de uma "bolha" onde eles apenas possuem amigos e contatos brasileiros. Como eu sempre digo, existem brasileiros e brasileiros. Educacao e' tudo,sempre!! Por isso que eu fujo de brasileiros igual o diabo foge da cruz !!

Andressa disse...

Achei o teu texto bem realista, principalmente porque tu te referes a um tipo específico de brasileiro e não a todos os brasileiros (por mais que algumas pessoas não entendam isso). Já sobre usar uma camiseta da seleção de futebol, não vejo nada de anormal. Tem muita gente que gosta de futebol (e esportes em geral) e tem camisetas do Brasil.
Principalmente na primeira viagem ao exterior, as mulheres brasileiras não sabem direito o que vestir e eu penso que isso se deve ao fato de se andar muito de carro no Brasil e na Europa ser completamente diferente. E outra: no Brasil as pessoas reparam mesmo como as outras estão vestidas, de que marca é a roupa, etc. Na Alemanha (não posso dizer na Europa inteira porque não conheço), as mulheres prezam mais pelo conforto do que pela beleza e isso é bem libertador!
Tenho que dizer que não é exclusividade dos brasileiros querer comer no McDonald's mesmo podendo comer uma paeja na próxima esquina. Infelizmente tem muita gente que não está nem um pouco interessada em conhecer a cultura local, só quer viajar só para tirar fotos (inclusive com as sacolas da Chanel!!!) e contar que foi em X países.
Enfim, pela experiência que tenho, acho que boa parte do que tu escreveste é bem realista, mas muitos pontos não são exclusivos de brasileiros chatos, mas de viajantas chatos de nacionalidades variadas :)

Julius Gattus disse...

Me desculpem os que estao defendendo os "brasileiros de primeira viagem"...mas educacao se tem já em casa! Se, se fala como se estivesse com um auto falante na garganta, isto nao é educado nem no Brasil muito menos fora dele!!!! Quanto a moda: saibam que a moda chega primeiro no Brasil e depois vem pra Europa, assim como muitos filmes americanos - desculpa esfarrapada. Camiseta amarela, tá chegando a hora de eu tirar a minha do armario...penduro até a bandeira brasileira no meu terraco, época de Copa tudo é válido. A parte do Mac Donalds foi a que eu mais ri,porque vivi isto aqui na Alemanha com brasileiros em visita. Ai vc fala pro fulano se apressar porque a fila tá grande e ele nao entende porque ficamos tao impacientes... E um detalhe, quando viajei pela primeira vez ao exterior (Franca) me comportei civilizadamente...e com apenas 23 aninhos na epoca!!!!

Maria Claudia Oliveira disse...

Tem certeza que o chato da história é o brasileiro turista? Existem pessoas mal educadas, fato! Mas daí já ter vergonha de suas origens e ficar tão deslumbrada a ponto de esquecer como as coisas funcionam por aqui, já é outra conversa. Não vivemos estressados e reclamando o tempo inteiro só porque ocorreu um imprevisto no meio do caminho. Qual o problema do cara escolher um lanche diferente e demorar um pouco mais?Quem é você pra dizer como um brasileiro deve se comportar ou se vestir?
Abra sua mente, seja menos ranzinza.
Viva a vida com mais leveza e procure entender que as pessoas são diferentes, independentemente de sua nacionalidade.

Anônimo disse...

Os piores sao os que andam em grupo usando a camisa da selecao. Tambem aqueles que levam comida dentro do aviao.

Anônimo disse...

Ri muito lendo ...é exatamente esse o comentário que faço sempre que viajo! kkkk. Brasileiro se acha e o mais cafona dos turistas!!!!

Janete disse...

Moro em Paris hà 14 anos e ja presenciei varias situações parecidas em lugares turisticos. Uma vez, em um café, tinha um grupo de brasileiras falando bem alto, gritando huhu e paquerando o garçom, o cara ficou tão transtornado que deixou cair uma bandeja cheia de copos. Outra gafe também é chamar o garçom por: psiu, ei!!!! Isso sem falar da camisa da seleção, que é marca registrada.

anna y valdez disse...

Olha que os italianos sao assim também :)))

Lia disse...

Adorei sua lista. Morei anos na Alemanha e a principio ficava também feliz em ver brasileiros, na época não eram tantos, mas com o passar do tempo fui percebendo que era mesmo melhor ficar longe deles. Sem julgar niguém, mas é isso memso.

Gustavo Moura disse...

Descrição perfeita. O texto é tão bom que a autora se defendeu de antemão com elegância de todos os comentários dos brasileiros chatos (ou melhor, insuportáveis) que viriam comentar no blog após ler o texto, e tentar usar a tática infantil de retrucar: "a chata é você".
Moro nos Estados Unidos há 8 meses e quando menos espero começo a ouvir na casa onde moro pessoas aos berros, pulos e um seleto conteúdo musical contendo as mais belas canções do funk, sertanejo, brega, axé e tudo o mais de maravilhoso da rica cultura musical dos brasileiros (chatos). Aconteceu que um dos moradores da casa fez uma festa e chamou amigos brasileiros (e como sabemos, os brasileiros chatos só andam em bandos de 30 - adorei um dos comentários sobre viverem numa bolha). Por isso o motivo de todo o agradável distúrbio causado pelos nossos queridos brasileiros chatos. E a festa permaneceu até lá pelas 4 da manhã, e todos continuaram se comportando como se estivessem num show, e não em uma casa onde a maioria dos moradores estavam dormindo (ou tentando...). É isso aí, os únicos capazes de te incomodar fora do Brasil são os próprios brasileiros (chatos).
O Brasil se afunda cada vez mais e o motivo central é a cultura. Mas sempre vão haver os defensores da filosofia cultural do "deixa a vida me levar", do jeitinho espertalhão brasileiro, da falta de educação e todo o resto de verborréia da decadência. Te chamaram de ranzinza, por favor, continue sendo ranzinza. O Brasil precisa de mais ranzinzas como você.

de volta à nave mãe - desde 2008 © Ivana Ebel