de volta à nave mãe: home
Home Home by Ivana Ebel Facebook Twitter E-Mail

menu

Estudar fora Sobre a Alemanha Viagens & turismo
Nonsense Receitas Jornalismo

segunda-feira, 28 de abril de 2014

A vida na Alemanha: quanto custa em média viver no país e quais são os principais gastos


Definir o custo de vida na Alemanha é uma questão bem pessoal. Para tentar fazer isso, é preciso estabelecer uma “persona”: então, vamos imaginar um casal entre 25 e 40, sem filhos, com hábitos simples. Esse casal planeja viver em Berlin (uma cidade de preço médio na Alemanha), não terá carro e vai adotar o estilo alemão: sem empregada, com saídas eventuais (semanais) a um restaurante e sem luxos. Pronto. Imaginado o casal, vamos as contas.

O aluguel de um apartamento de dois cômodos (quarto e sala – que por aqui é chamado de 2 Zimmer), sem mobília, em um bairro classe média custa em torno de 700 euros com o aquecimento incluído. Fora isso, o casal pagará a energia elétrica (60 euros por mês) e internet (30 euros). Além do imposto obrigatório de televisão (17,00).

Na hora do aluguel, precisa pagar a caução do imóvel, que geralmente são dois alugueis “frios”, sem o aquecimento. No caso de um Apartamento de 700 quente, deve ser em torno de 550: ou seja, 1100 a 1400 de caução, conforme o caso. Esse dinheiro é devolvido quando se entrega o apartamento, caso tudo esteja inteiro e de acordo. Alguns aluguéis tem envolvida uma taxa de Provision: é a comissão do agente imobiliário, no valor de 2,38 alugueis frios e não será devolvida. É dinheiro morto.

Para mobiliar, sugiro o Ikea: barato, relativamente bom e tem tudo. Muitos apartamentos já vem com a cozinha montada (procure por EBK, que quer dizer cozinha embutida ou algo do tipo). Se não tiver, calcule, para a cozinha mais espartana possível, 1500 euros (incluindo fogão, forno, geladeira e máquina de lavar louça). Para a sala, mais 1500 e o mesmo para o quarto. Reserve ao menos 300 para uma máquina de lavar roupas se o prédio não tiver lavanderia compartilhada. Sim, é possível gastar muito menos: metade disso. Mas vai depender de sorte, pesquisa e paciência.

Plano de saúde e transporte podem ser caros

Terminados os custos de instalação, que sempre são altos, a vida entra no eixo e tudo volta ao normal. Um custo fixo importante a entrar na conta é o plano de saúde, obrigatório no país. Se for público, o casal pode, em certas circunstancias, ter um plano só e o cônjuge como dependente. Claro que o custo também varia com a idade. Vale consultar os sites das empresas como AOK e TK para ter uma ideia. Seguros privados podem custar muito menos incialmente e se a estada na Alemanha for por um tempo determinado, o custo/benefício compensa. Mas eles se tornam muito mais caros com o passar do tempo e tem coberturas com valores limitados. Care Concept, Mawista, Continentale são algumas opções.

Transporte também representa uma parcela importante das contas. Em Berlin, por mês, custa78 euros por pessoa. Quem precisa usar o transporte só depois das 10 da manhã, pode comprar um ticket de 57 por mês. Pessoas com mais de 65 anos também ganham desconto se comprarem um ticket anual. Estudantes universitários tem o transporte incluso na taxa de matrícula. Quem faz curso de alemão, por exemplo, pode conseguir uma carteirinha de Azubi (a partir de uma declaração da própria escola, que também tem as informações na secretaria) e paga menos. Quem trabalha tem direito ao Job Ticket e o preço varia em cada empresa.

Esses são os custos fixos maiores. Comer em casa é muito barato na Alemanha. Estimo os custos de supermercado em torno de 50 a 75 euros por semana para duas pessoas que comem carne (peixe, frango e porco, majoritariamente e carne vermelha uma vez na semana, em média) diariamente. Isso inclui ainda produtos de limpeza, que são melhores e mais baratos que no Brasil. Cerveja bebida em casa também não pesa no bolso: as marcas mais baratas custam menos de 30 centavos por meio litro (mas eu passaria longe delas!!!) e as boas a partir de 70 centavos.

Opções de supermercado para todos os bolsos

Existem dois tipos de supermercados no país: os caros, que se parecem com os mercados brasileiros, e os baratos (redes de desconto como Aldi, Lidl, Penny, Norma, etc). Claro que os primeiros são bem mais completos: se encontra de tudo por lá. Mesmo esses tem sempre uma marca própria que custa menos e tem qualidade no que oferece. Os mais baratos vendem poucas coisas com marcas famosas, mas bem por isso pecam na qualidade. Tem coisas mais básicas, mas aliviam bastante o bolso no fim do mês e a economia pode se transformar em divertimento.

Os gastos com lazer são muito relativos. Viajar a partir da Alemanha ou mesmo dentro do país pode custar pouco com um pouco de organização: é só comprar os tickets com antecedência ou aproveitaras ofertas, seguindo essas dicas. Restaurantes existempara todos os gostos: dos estrelados aos trailers de rua, com boas surpresas. Para um restaurante médio, calcule 15 euros um prato, fora bebidas, entradas e sobremesas.

Dinheiro pra viver

O governo também fez um cálculo parecido e exige que as pessoas tenham esse dinheiro para viver aqui. Para conceder o visto de permanência, no caso dos estudantes, a Alemanha exige um depósito em conta bloqueada de 7.908 euros, o que corresponde a 659 euros por mês. Claro que estudantes pagam menos em quase tudo: plano de saúde mais barato até os 30 anos, moradia subsidiada, transporte semestral, etc. Mas o valor é uma boa média para estimar a vida em cidades de custo médio. Em Munique, por exemplo, tudo é muito mais caro. Cidades do interior – especialmente da antiga DDR – tem um custo de vida muito menor (inclusive os supermercados de redes são bem mais baratos).

A verdade é que não existe ciência exata para saber quanto vai custar a vida na Alemanha, mas é bom ter em mente que tudo o que envolve mão de obra custa mais caro. Não existe pechincha quando se envolve o trabalho alheio. Por isso esse é o país do faça você mesmo: isso vale na hora de pintar as paredes, limpar a privada ou montar os móveis. E é exatamente isso que faz da Alemanha um país bom pra se viver: a força de trabalho é valorizada de forma mais homogênea porque ninguém vale mais do ninguém.


8 comentários:

Thiago disse...

Ola Ivana.

Ótimo post! Uma pequena correção: O valor do caução em Berlin é o equivalente a 3 aluguéis frios ( e ão apenas 2).

Outra coisa. É interessante citar que vários restaurantes tem opções baratas no almoço.

Monique disse...

Olá Ivana, Meu nome é Monique, éramos praticamente vizinhas em Blumenau pois morávamos na mesma rua e estou morando na Alemanha, trabalhando e estudando. Achei teu blog no ano passado, quando cheguei aqui e entro de vez em quando pra ler, de qualquer forma fico muito feliz q vc voltou a escrever com mais frequência no blog, vc esreve de uma maneira peculiar, saudável e sincera. Adoro seu blog. Abraços.

Ivana disse...

Obrigada pela dica, Thiago! Esse valor da Kaution varia bastante...

E... Monique, que bom que me encontrou aqui! Vc tem FB? Quem sabe marcamos uma visita! Por onde vc anda??? Bjaooo grande!

Bart disse...

Um bom jeito de ter uma ideia do custo de vida em comparacao com outros lugares eh nesse site:

http://www.numbeo.com/cost-of-living/comparison.jsp

Anônimo disse...

14 - Mais o mais chato de todo o brasileiro chato é o orgulho da sua própria ignorância. “Eu já viajei dez vezes pros Estados Unidos e não falo uma palavra de inglês”. “Achei toda a maquiagem que eu queria e comprei cinco bolsas Michael Kors e a vendedora nem falava português”. Dinheiro pro cursinho de inglês não sobra né.

14-MAS o mais chato…….

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ysiane Andreza disse...

Bom dia. Vi o seu blog, muito interessante, estou querendo ir para Alemanha, preciso de algumas dicas sua. Me passe alguma forma de contato com você. Obrigada!

Marcelli Lins disse...

Boa Tarde Ivana...meu nome é Marcelli e estou com meu esposo e meu filho a passeio na casa da minha irmã que irá se casar esse mês com um alemão. Estou maravilhada com este lugar...aqui tudo é perfeito e exatamente por isso queremos ficar de vez aqui...o detalhe é que não falamos alemão e nem o inglês...
Você teria alguma dica/ajuda para o nosso caso? Vale ressaltar que estamos desempregados então seria uma ótima oportunidade para nós.
Adorei esse blog.

Abraços...

de volta à nave mãe - desde 2008 © Ivana Ebel