de volta à nave mãe: home
Home Home by Ivana Ebel Facebook Twitter E-Mail

menu

Estudar fora Sobre a Alemanha Viagens & turismo
Nonsense Receitas Jornalismo

sábado, 6 de setembro de 2014

Alma em luto: as canções neonazistas que ecoam pelas ruas de Weimar


Hoje aconteceu uma daquelas coisas que fazem a gente morrer um pouquinho por dentro. Daquelas que entristecem a alma. Estou meio de luto apesar do sol que faz lá fora.

Weimar está lotada de turistas – alemães, que constituem a maioria dos visitantes – aproveitando o último calorzinho do ano. A rua cheia, músicos tocando por todos os lados. Parei na maior livraria da cidade para ver uns cartões postais – sim, eu ainda envio postais – e escuto um músico que sempre vejo na rua: um visual punk, cabelo moicano pintado de azul.

Já tinha visto o cidadão acompanhado de amigos usando as marcas de roupa preferidas dos neonazistas, mas (ainda) concordo com o benefício da dúvida. Só que dessa vez, quando parei para ouvir o que ele cantava – em ritmo de um bom rock dos anos 70 – fiquei sem chão.

As palavras de ódio das estrofes eu esqueci, mas o refrão segue martelando na minha cabeça: “todos os judeus são porcos, seja nazi”. Nem escrevo isso em alemão pra não ver esse blog visitado por acidente por militantes de direita em busca de companhia.

Assim, em plenos pulmões, no meio da rua ele cantava essas palavras. E as pessoas passavam e atiravam moedas. Quero dar a essas pessoas também o benefício da dúvida e crer que deram o dinheiro porque não ouviram o que ele cantava.

Fiquei chocada. Sai de perto, voltei pra ter certeza. Liguei pra polícia. Bom, na verdade fiquei tão nervosa que liguei pro bombeiro. Ai falei tudo. O bombeiro me deu o número da polícia, claro. Liguei de novo, contei tudo de novo, quase chorando de raiva. Dei meu nome e fiquei por perto, mas não muito perto.

Em cinco minutos a polícia chegou e parou exatamente onde eu estava. Me identifiquei e me escondi em uma curva da rua para que os nazis não me vissem falar com os policiais: no fundo eu tenho medo. Eu vejo esses acéfalos todos os dias na praça principal da cidade bebendo e cantando (provavelmente as mesmas músicas) e isso fica a dois minutos da minha casa.

Os policiais chegaram até o “cantor” enquanto ele fazia uma pausa. Não fiquei pra ver o resto da 
conversa, mas não consigo crer que ela mude algo. Já li em jornais e fóruns que o chefe de polícia do Estado da Turíngia seria ligado ao NPD, o partido fascista. Mas não encontrei nenhum documento provando isso em uma procura superficial. Então, ele também tem o benefício da dúvida.

Deixei com os policiais meu número de identidade, meu endereço, meu telefone. Deixei com eles minha (pouca) esperança de que alguma coisa aconteça e que essa gente seja proibida de cantar essas atrocidades. Eu respeito a liberdade de expressão, mas como diz um dos slogans das campanhas antinazista por aqui, fascismo não é uma opinião, é crime.

Não foi a primeira vez que aconteceu algo assim comigo. Mas vou passar o dia trancada em casa, de luto até, digerindo e esperando que amanhã faça sol novamente para eu olhe outra vez para a cidade com olhos gentis. 

3 comentários:

Sheila Melgarejo disse...

Ivana, sinto muito por você e pelos alemães que lutam contra essa barbárie. O Neonazismo é um dos motivos que me fez abandonar a Alemanha e principalmente, Turinger. Teu relato me fez relembrar situações e o clima pesado que senti no último ano. Espero, de coração, que fiques bem. Um upa carinhoso para você!

Mão de Vaca disse...

Nossa Ivana, eu acompanho seu blog faz um tempinho e fiquei triste com sua experiência recente. Na época em que morei em Mannheim passei por uma situação bem difícil: dois caras NeoNazis me ameaçaram no ponto do Straßen-Bahn dizendo que odeiam estrangeiros e que estes só servem pra apanhar... que gostariam de espancar todos até a morte. Minha sorte foi que logo apareceram mais pessoas no ponto e eles pararam. Lembro que passei um bom tempo com medo. Nos quatro anos seguintes nunca mais vivenciei algo do tipo mas sempre ouço histórias de colegas. Espero que continue tudo bem... LG

Sibele disse...

Volta pra casa, Ivis... Aqui no Brasil, vc não vai passar por isso. Vai tropeçar em pobres e mendigos atirados na rua todo santo dia, mas não vai conseguir identificar um neonazi a céu aberto.

de volta à nave mãe - desde 2008 © Ivana Ebel