de volta à nave mãe: home
Home Home by Ivana Ebel Facebook Twitter E-Mail

menu

Estudar fora Sobre a Alemanha Viagens & turismo
Nonsense Receitas Jornalismo

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Dicas de inverno: como se preparar e como enfrentar o frio na Alemanha


Não existe tempo ruim: o importante é usar a roupa certa

As temperaturas costumam chegar aos -20 graus em algumas regiões da Alemanha durante o inverno. Isso inclui Berlin. Mas ondas de frio tão intenso duram poucos dias, por sorte. Em média – sem contar os alpes e montanhas – os dias ficam entre -5° e + 5 por seis longos meses. Então, pra quem chegou agora, ou vai chegar no meio desse período, algumas dicas podem ser úteis e ajudam a evitar maiores complicações. Já fiz um post para quem planeja fazer turismo no inverno, mas esse aqui é um pouco mais completo.

A primeira das dicas é simples: é frio e você vai ter que se acostumar com isso, de qualquer maneira. Por isso, quanto antes, melhor. E a melhor coisa é entender que é inverno e não adianta querer transformar a casa em uma filial dos trópicos que a coisa não vai funcionar. Por isso, compre um termômetro e regule o aquecimento de forma a criar conforto térmico, mas sem tornar as suas saídas de casa um tormento. A temperatura ideal para o ambiente em que se passa a maior parte do tempo é entre 18 e 21 graus. Mais que isso é puro exagero. Para dormir, entre 17 e 19 graus. Além de ajudar na saúde, esse cuidado ajuda no bolso! Apesar do aquecimento ser pago mensalmente, junto com o aluguel, no final de cada ano é feito um ajuste: o estado verifica se você consumiu mais do que pagou ao longo de um período e é preciso quitar o excedente (raramente se recebe de volta). E as contas costumam ser bem salgadas. Já vi gente recebendo 2 mil euros extras para pagar, de uma vez só, em um apartamento de três pessoas.

Pé quente

Para não sentir frio dentro de casa, aposte em roupas confortáveis: se tiver os pés sempre gelados, sapatos forrados de pelinhos resolvem. Pode até ser um Croc muito feio, com pelúcia por dentro, desde que ninguém veja (nas lojas de quinquilharias – tipo Teddy ou McGeiz, vende por uns 5 euros). Ou mesmo uma bota forrada de pelo: eu tenho uma dessas só pra usar em casa, assim não fico arrastando sujeira da rua. Paguei 7 euros na Kik: é feia de doer, mas é a coisa mais quentinha que já usei na vida. Para os menos friorentos, chinelinhos de pano também resolvem ou um tênis confortável. Havaianas só se for com meia: pés de fora é coisa para o verão. Não dá para manter aqui os mesmos hábitos do Brasil. E não ande descalço, claro.

Falando em pés gelados, uma dica pra quem não consegue se esquentar são as bolsas de água quente. Também podem ser encontradas mas lojas de bugigangas. Existem um capas apeluciadas para elas, bem fofas, e ficam com mais cara de travesseirinho do que aquelas bolsas de antigamente. Eu tenho uma linda demais que ganhei de uma amiga e acho uma delícia colocar nos pés nas noites mais geladas.

Existem ainda umas bolsinhas de gel com a mesma função das bolsas de água quente: mas para os bolsos! Uma delícia. Você coloca na água quente antes de sair de casa, seca, enfia nos bolsos e pronto: mãos quentinhas em todo o trajeto. E luvas, claro: luvas de lã não são muito eficazes, já que os furinhos deixam o vento passar. As de couro são caras, mas boas. Um meio termo são as de fleece: mais fechadas que as de lã e bem mais baratas que as de couro. Se o frio for muito mesmo, vale apelar para as luvas de ski, fofinhas e acolchoadas. Tudo isso baratinho na Kik ou lojinhas de Bahnhof.

Na hora de sair

Aliás, sair de casa exige um preparo. De nada servem muitas camadas se a roupa estiver errada. Primeiro é preciso dizer que você vai precisar de um bom casaco. Sugiro comprar aqui: os brasileiros são caros demais, finos demais e decotados demais. É preciso ter algo que realmente bloqueie o vento, que seja de preferência impermeável – ou ao menos uma lã grossa o bastante para não absorver a água e deixar você molhado – e bem fechado no pescoço. O ideal são casacos na altura do joelho ou um pouco abaixo, já que protegem melhor as pernas. Se puder, compre um com regulagem nos punhos, para deixar fechadinho e evitar que entre frio pelos braços. Existem modelos e preços variados: em lojas bem baratas, como a Kik e a Primark, dá para achar um que sobreviva um inverno. Na C&A já são um pouco mais resistentes. Outra dica é pesquisar nos brechós da cidade: sempre se acha alguma coisa bacana e exclusiva! Mercados das pulgas (Flohmarkt) também tem roupas: nesse caso a regra é pechinchar e você pode sair de lá com uma peça bacana por menos de 10 euros.

Palmilhas: lã ajuda a separar os pés do chão congelado

A mesma regra dos casacos vale para os sapatos. É preciso encontrar uma bota forrada, com sola grossa e de borracha, preferivelmente com garras para não escorregar na neve. Se for comprar um sapato ainda no Brasil, evite os que tem sola de couro: são muito escorregadios. Também deixe os saltos para a volta: eles não combinam com gelo. No entanto, sapatos menos “preparados” podem servir com algumas adaptações. Uma boa opção são as palmilhas de lã de ovelha, que se acha nas lojas de quinquilharias ou mesmo nas de cosméticos (tipo Rossmann ou dm). Custam entre 1 e 3 euros e realmente funcionam: elas não deixam passar tanto frio pela sola do pé. Não use sapatos apertados: botas justas dificultam a circulação e com isso o pé fica ainda mais gelado. Na hora de comprar, se planeja usar meias grossas, prefira um número maior. Aliás, falando em meias, embora as de lã sejam bem quentes, as de algodão deixam o pé respirar melhor! E meia é uma coisa muito barata aqui na Alemanha: com 5 euros se compra meia dúzia. Mas nunca compre meias brancas: é um fiasco por essas bandas!

Mas se mesmo nos mercados de pulga as botas de inverno estiverem além do orçamento, é possível transformar sapatos de sola lisa em uma opção mais segura. Existem uns grampos que podem ser presos em qualquer modelo. Encomendar pela internet é a forma mais barata. Custam cerca de 5 euros pelo ebay.de.

Bom, pés quentes e casaco. Chegou a hora de falar sobre as calças: primeiro de tudo, mantenha as bainhas bem feitas ou prefira modelos mais estreitos na perna: arrastar a barra pelo chão em dias de neve é garantir pernas geladas pelo dia todo. E isso não é nada bom! Além disso, quando está muito frio ou quando vai se passar várias horas nas ruas, é preciso usar uma segunda camada. Os supermercados populares (Aldi, Lidl, etc) ou as lojas simples (Kik, por exemplo) costumam vender essas roupas de usar por baixo: são calças justas, de um tecido térmico, criadas para praticar esportes de inverno, mas muito úteis para visitar os mercados de Natal! Para as mulheres, as opções são mais divertidas: existem meias-calças com um revestimento interno apeluciado (e outras ainda com o mesmo material das masculinas) que esquentam bastante. Custam geralmente 5 euros, nas mesmas lojinhas já citadas e valem muito, muito a pena. Eu gosto mesmo é de usar vestido no inverno: com uma meia dessas e uma legging bem grossa, não corro o risco de ficar arrastando neve com a barra da calça por ai.

Nada de calças "baixas"

Sobre as calças, vale dizer ainda que é hora de dar adeus as calças de cintura baixa. Compre umas “santropeito” mesmo e seja feliz. Conheci muitas brasileiras que, por conta do hábito de deixar a barriga ou as costas de fora, ficaram com cistite na primeira semana de frio. O negócio aqui é colocar uma das blusas por dentro da calça mesmo e prender bem para não sair: assim evita qualquer chance de deixar as costas ou o ventre expostos ao frio.

Bom, faltou falar da parte de cima. É preciso proteger a cabeça e, especialmente, os ouvidos! As tocas que existem no sul do Brasil não servem para muita coisa aqui. O ideal são toucas duplas, com uma camada interna apeluciada. O primeiro contato com elas é de repulsa: são feias, geralmente. Mas uma boa garimpada permite achar coisas interessantes! Se for comprar um chapéu, não esqueça que o importante é cobrir as orelhas: se não, serve só de enfeite. Existem protetores de orelha que funcionam bem até uma certa temperatura. Depois disso é preciso cobrir a cabeça mesmo.

Outra coisa para usar sempre: cachecol. Alemães usam até mesmo no verão: lenços, echarpes e afins. Proteger a garganta é regra por aqui e, se todo mundo faz, deve ter seus motivos! Para o outono, cachecóis tipo pashminas são ok, mas o frio pede coisas mais encorpadas, de lã. Use duplo, bem fechado e, se a temperatura estiver além dos -10, vale colocar por cima da boca e nariz para não respirar o ar tão gelado. Ah, aqueles cachecóis que as mães e vós costumam fazer no Brasil só servem se forem feitos com lã grossa e agulhas finas: ou seja, sem muitos furinhos. Um cachecol de pontos bem apertadinhos faz toda a diferença.

Cuidados com a pele

A pele também precisa de cuidados especiais no frio. A água na Alemanha é muito calcária e, quanto mais quente, mais pesada. Isso resseca muito a pele e pode provocar descamações ou mesmo rachaduras nos cotovelos, joelhos e tornozelos em pouco tempo. Por isso, mesmo que no Brasil a pele tendesse a ser oleosa, por aqui ela vai precisar de muito hidratante. E isso vale para os homens também.  Os hidratantes brasileiros dificilmente ajudam, já que não são oleosos o bastante. Melhor mesmo é apostar em um leite hidratante. Marcas como Nivea, Dove e Bebe tem várias opções, mas mesmo os produtos das marcas mais baratas dos supermercados são eficientes.

Os lábios geralmente são os primeiros a dar sinal de ressecamento e, por conta do batom, as mulheres podem sentir menos que os homens. Mas como nem todos os dias sobra paciência para maquiagem, o negócio é ter um bastão hidratante sempre à mão. São baratinhos: 1 euro ou menos no Rossmann, dm e afins. Mas se o aviso chegou tarde demais, o ideal mesmo é passar em uma farmácia e comprar um hidratante labial a base de Bepantol, que cicatriza as rachaduras e evita novas.

Falando em farmácia, inverno também é época de depressão. Não pelo frio, mas pelas longas horas de escuridão. Até os alemães sofrem com isso. Para amenizar, duas dicas: a primeira é comprar comprimidos de Johanniskräuter nas lojas de cosméticos ou supermercados. São drágeas de uma planta conhecida no Brasil como Erva de SãoJoão e ajudam mesmo a combater a depressão típica dessa época. Não precisa de receita e custam cerca de 4 euros a caixa com 60 comprimidos. A segunda dica é buscar sol. Se uma viagem para o Sul da Europa tá fora do orçamento, dá pra “remendar” com uma ida ao solarium (Sonnestudio). Mas nada de ficar laranja: são três minutos (não mais!), na máquina mais fraca que o estúdio tiver, com a regulagem mais baixa. A ideia é só ter luz o bastante para processar vitamina D e voltar a ser feliz! Enfim, o inverno tem seus segredinhos, mas dá pra sobreviver a ele.

Camadas certas de roupa

Em um resumão para fechar o post, na hora de planejar a roupa pra sair de casa, pense sempre em camadas e lembre-se que dentro de todos os ambientes (mesmo ônibus e trens) é quente. Em alguns, como lojas de departamentos, exageradamente quente. Então o ideal é usar peças que permitam abrir e deixar um ar entrar pra não sufocar! Uma boa dica, que funciona muito bem entre -5 e -15 é a seguinte sequência: uma camiseta de algodão, manga longa, bem justa junto ao corpo. Um pulôver de lã justinho. Um casaco de fleece, aberto na frente, bem justo também: de preferência de gola alta (vende na Kik a partir de 5 euros e na C&A por 9). Por cima de tudo, o casaco grosso, cachecol, touca, luvas. Na parte de baixo, meia-calça apeluciada de fio 600, calça jeans (ou outro material quente, como veludo) grossa e de cintura mais alta. Meia de algodão grossa e sapatos de inverno com palmilhas de lã. Hidratante no rosto e mãos, protetor labial e boa sorte!

E como dizem os alemães: „Es gibt kein schlechtes Wetter, sondern nur ungeeignete Kleidung“. Não existe tempo ruim, existe apenas roupa inapropriada!

Se depois de fazer tudo isso o frio ainda for demais, aproveite o clima natalino e pare na primeira barraquinha que encontrar e peça um vinho quente, o tradicionalíssimo Glüwein. Sugiro pagar o extra e pedir uma dose de licor de amêndoas junto: esquenta o corpo, a alma e deixa o inverno muito mais colorido!


Lá fora: é frio sim, mas o inverno é cheio de encantos

10 comentários:

Josy Galvão disse...

Excelentes dicas!

Teus disse...

Oi Ivana! Muito legal as dicas. Estou aqui no frio a pouco tempo, mas tendo vindo de um lugar muito quente (Recife, ou Hellcife), onde em raríssimas oportunidades uso qualquer coisa abaixo do cotovelo, gostaria de deixar minha contribuição por aqui tb.

Ao acordar, sempre olhe a temperatura, ela te dirá o que vestir.

Em primeiro lugar, a roupa fundamental do inverno, da mesma forma que no Brasil é a sunga ou biquíni na praia, é a "lange unterwäsche", mais conhecido com a segunda pele, que consiste na famosa CALÇA-CEROULA e em uma camisa de manga colada - muitas vezes vêm em um conjunto. Sua aparência ficará igual ao PATETA, mas com esta roupa por baixo, você poderá ficar mais tranquilo e ao menos não morrerá de frio. A variedade que existe para estas ceroulas é grande, mas é sempre bom se ligar na palavrinha mágica "thermo", que indica que ela aquecerá de alguma forma.

Um outro fato curioso é como no inverno e no outono a maior parte dos teutônicos usam roupas de expedição, "outdoor", principalmente os caríssimos (eficientes e belos) casacos da JACK WOLFSKIN e THE NORTH FACE. Aí já temos bastante influência da moda, mas também uma indicação do máximo de conforto que a ciência oferece nos dias de hoje para o abaixo de zero (que para nós brasileiros é como ir a outro planeta). Nestas lojas, como as de esporte em geral, se encontram roupas capazes de serem leves, quentes, transpirantes e... absurdamente coloridas (!) ao mesmo tempo, tornando-as ideais para enfrentar este ambiente para o qual humanos não deveriam ter vindo. E o supra-sumo do quentinho são as roupas de ski, então se estiverem ainda com frio, se joguem neste setor da loja que vocês não vão se arrepender.

Estes novos materiais que são a maravilha da ciência, agora estão ficando cada vez mais comuns, então sugiro ir atrás destes casacos por outras marcas, e até na C&A já se acham alguns muito bons.

Muito importante identificar a parte (ou partes) do seu corpo que sofrem mais com o frio, e concentrar nelas. Para alguns são os pés, orelhas, mãos, outros até a barriga! Procure tudo térmico, ou então de LÃ que é o tecido da natureza mais comum para manter aquecido. Algodão, apesar de aquecer um pouco também, surgiu evolutivamente principalmente para reter umidade, não para regular temperatura. Os tecidos ideais seriam Pêlo de Rena, e de Carcajou (Wolverine) já que nestes não se forma gelo. Meio complicado de arrumar no entanto!

Se você é homem, agora é o momento de usar aquelas roupas formais que se usam no Brasil para casamento, festas de 15 anos ou para ir ao culto (ex. a Baco) - sem suar! Principalmente a camisa de botão de manga longa, que após a segunda pele é uma excelente camada intermediária... Ela foi CRIADA para isto! uma camada inicial que se usa muito também é uma simples camiseta, do tipo que se usa sem mais nada no Nordeste, para 99% das atividades cotidianas (pode tb ser usada no lugar da blusa segunda pele, caso não estiver tão frio).

Tendo dito isto, fica também agora umas das principais constatações: O corpo humano também gera calor, então sua roupa estará regulada pela sua atividade fisica, por menor que seja. No entanto, nunca deixe de lado a CEROULA. Como diriam em Olinda, com a Ceroula "Para mim já seria legal / passarei lá na Lua o meu carnaval"

Minha regra é abaixo de 10ºC, luvas - abaixo de 8ºC Ceroulas - Abaixo de 5ºC meias térmicas, gorro e "escarfe" - Abaixo de zero, proteja o nariz e a boca - Abaixo de -10ºC, voe para o Sul.

Shirley Sanches Alves disse...

Realmente gostei muito do blog, informações e as fotos!
Estou com a minha primeira viagem programada para a Inglaterra e já estou procurando informações sobre os outros lugares do mundo para fazer uma visitinha.
Alemanha nunca foi um destino pré definido pra mim, mas com as suas dicas eu acredito que irei me aventurar um dia, quem sabe!
Se quiser me visitar:
http://newcastlepramim.blogspot.com.br/
Estarei por aqui mais vezes, com certeza!
Ah, gostei muito de saber sobre sua formação, Midias Sociais realmente é o must!

Abraços,

Nicole disse...

Flore, tô tentando postar aqui há uma semana e o blogger não aceita de jeito nenhum, vê se pode!
Só passando para agradecer toda a gentileza a mim dispensada ;), pelos muffins maravilhosos e pelas super dicas! Ah, os pães de queijo congelam super bem e foram a estrela da festinha brasileira hoje :).

Beijo beijo e até a próxima! - desta vez, aqui em Munique, neah!

Bia disse...

as dicas são mesmo ótimas! Algumas eu conhecia, mas essa do comprimido.....nunca tinha ouvido falar! bem interessante! bjs

Paula disse...

Excelente post!! Vc comentou dos pés não estarem comprimidos para evitar o frio. Diria que o mesmo se aplica à calça jeans. Se estiver muito justa também não ajuda a proteger do frio. Pior é que as que eu trouxe do Brasil ficam "certas" no corpo, mas com a ceroula ficam apertadas...

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
brecho disse...

Ivana, seu blog é muito legal!
estou na maior dúvida! Vou ou não a Alemanha em março para turistar!!!??? A dúvida é por causa do frio! ou escolho outro país tipo Holanda com Bélgica ou Itália-norte com Suíça (acha que dá na mesma em relação ao frio?)
Obrigada!

Ivana disse...

Oi pessoal! Obrigada pelos comentários! E Teus, boas dicas, heim! Quanto ao destino, Brechó, os países que você citou são todos gelados nessa época! Em março, geralmente ainda neva! Prepare roupas bem quentinhas e aproveite muito!!! :)

Camilla Teixeira de Souza disse...

Estou adorando esse blog, estou de viagem marcada para a Alemanha agora em Dezembro e já estou me tremendo de frio kkkkk

de volta à nave mãe - desde 2008 © Ivana Ebel